.


Mostrando postagens com marcador Meio ambiente. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Meio ambiente. Mostrar todas as postagens

18 de agosto de 2017

O advogado a PF e o tatu

Um advogado estava viajando de carro por uma rodovia,(BR), um tatu foi atravessar na frente do carro e o motorista parou e pegou o mesmo. Colocou no porta malas e seguiu viagem.
Lá na frente uma blitz da Polícia Federal o parou. Pediram os documentos, pediram pra ele descer do carro e abrir o porta malas, no que foi prontamente atendida tal solicitação.
Lá dentro o policial viu o tatu e falou:
- cara você é louco! Esse animal é selvagem, isso vai te dar cadeia. Se eu chamar a policia ambiental você tá frito.
O advogado disse: - bem capaz esse tatu é meu. De estimação. Tá comigo desde novinho. Se você soltar ele no chão eu dou dois assobios e ele volta do meu lado. Ele é treinado.
O policial falou: duvido!
- Então solta ele pra você ver, disse o advogado.
O policial pegou o tatu, soltou no chão e o tatu correu para o mato.
O policial falou para advogado:
- agora chama o tatu de volta.
O advogado disse: Que tatu?

28 de julho de 2017

A fama pode matar

Lembram-se da arvore, que viveu por mais de 10 anos no topo de um poste de energia elétrica e, gerou a postagem, vida no poste? Pois é, ficou famosa e morreu no dia seguinte, foi só aparecer na página do jornal e seus dias de fama se acabaram. 

Na foto é possível ver o guindaste que conduziu seu algoz, com uma moto-serra, que em menos de meia hora restou somente às fotos registradas durante seu período de existência. Muitas vezes viver no "anonimato" pode significar dias a mais de vida enquanto a exposição pode apressar o seu fim. 

Estou me referindo a um Ficus, árvore, de aproximadamente 2 metros de altura, estava a mais ou menos 10 anos sobrevivendo no topo de um poste de energia elétrica na Rua Prata, na Vila Rica, em Campinas SP.

No mesmo dia em que saiu uma matéria no jornal ela foi retirada pela CPFL, empresa de energia elétrica, responsável pelo poste. Neste caso a fama da árvore levou a morte até a mesma. Melhor seria ter permanecido no anonimato.


Os moradores acreditam que a arvore nasceu no poste graças aos passarinhos que pousavam no local. As aves devem ter levado sementes no bico para alimentar filhotes no ninho e algumas germinaram. O troco da planta tinha cerca de meio metro e depois se formou a copa com galhos que atingiram mais de dois metros de altura.
(a) J Araújo

17 de dezembro de 2016

Tudo isso não passa de divagações

Imagem: Arquivo pessoal

Você olha e vê apenas uma arvore. Cada um olha e vê que quer enxergar. Como isso é coisa que gente do 'mato gosta', dificilmente você vai concordar comigo. Quem não nasceu no campo ou na roça como queira, e nunca teve oportunidade ou coragem de adentrar numa mata não vai entender nada mesmo do que estou falando. Mas com certeza aqueles que conhecem, quando olha uma arvore igual a essa passa mil e uma ideias e pensamentos na cabeça.

Você quando olha para uma arvore dessas, pode imaginar a idade dela? Muitas vezes pode ser até mesmo mais velha que você. Olha um pouco mais e veja que sem ela este cipó que está ao seu lado depende dela para sobreviver e provavelmente quando a mesma morrer ele também morra. Tudo isso não passa de divagações de um caipira que andava e gosta de andar nas florestas sempre que tem oportunidade. 
(a) J Araújo 
Imagem: J Araújo

3 de julho de 2015

>Bilhões de dólares já foram gastos em nome do Rio Tietê

Uma das imagens de capa do jornal Correio Popular de 24/06/2015, até mesmo os mais céticos se entristecem ao ver a situação do Rio Tietê, que está completamente morto em sua extensão que corta a Região Metropolitana de São Paulo, se é que podemos chamar aquilo de rio, está mais para uma privada.
A poluição chegou a tal nível que a população de 15.000 habitantes da pequena cidade de Pirapora do Bom Jesus, não está suportando o mau cheiro exalado, além da espuma carregada pelo vento que invade até mesmo as residências mais próximas. Até quando o governo do estado de São Paulo vai deixar aquela importante bacia hidrográfica naquelas condições?
E o que é mais triste é saber os bilhões de dólares que já foram gastos em nome daquele rio, sem resultados práticos. Acredito que o governo deve dar explicações a sociedade paulista. Já que se fala tanto em CPI, seria interessante algum Deputado Estadual, propor a abertura de uma.  
O Rio Tietê não merece todo aquele esgoto não merece ser continuar como está, merece respeito. Enquanto isso, a população de Pirapora do Bom Jesus segurando a respiração. O povo não aguenta tanta mentira e promessas não cumpridas. A sete anos atrás a Secretaria de Saneamento e Meio Ambiente de São Paulo e a Empresa Metropolitana de Águas e Energia (E.M.A.E), prometiam até o final daquele ano de 2008 bloquear cerca de 60% de todo esgoto que vem sendo despejado no rio.
RIO PINHEIROS PODE VOLTAR A TER PEIXES EM 2011, DIZ SECRETARIA (Leia mais)



10 de abril de 2015

>Responsabilidade social

Arquivo pessoal
Meu nome é Michele, tenho 33 anos, sou casada e mãe de um menino de 9 anos. Fui convidada pelo meu pai, a contribuir com algum texto para seu blog. Decidi falar sobre um assunto que tem me incomodado bastante todas as vezes que vou ao supermercado.

Antes de iniciar o assunto quero aqui deixar claro, que sou uma pessoa que procuro no meu dia-a-dia ser uma cidadã correta e consciente com minha responsabilidade social. Nisso inclui o descarte correto de pilhas e baterias, não jogar lixo na rua e o uso consciente da água, inclusive passando ao meu filho estes valores.

Quando o governo paulista decidiu juntamente com a Associação Paulista de Supermercados a não distribuir mais as sacolas plásticas gratuitamente, achei ótima a decisão, penso que isso realmente irá contribuir em parte com o planeta para o descarte correto do lixo. Mas por que eu ou você consumidor temos que ser prejudicados com isso?

Minha opinião é que esse acordo não demonstra tanta preocupação com o meio ambiente, e sim mostra ser um excelente negócio para os donos de supermercados. Alguns questionamentos que faço a mim mesma:

- Distribuir gratuitamente não, mas cobrar R$ 0,19 por cada sacolinha isso é permitido?
- E as garrafas pets, as embalagens dos alimentos isso não preocupa?

Já que demonstraram tanta "preocupação" com o meio ambiente deveriam então oferecer a alternativa ao consumidor, um exemplo seriam os sacos de papel, são biodegradáveis, renováveis e recicláveis.
Creio que antes de fazerem esse acordo que proíbe a distribuição das sacolinhas deveriam preocupar-se em oferecer à população a coleta seletiva do lixo nos bairros.

Em Campinas cidade onde moro, mesmo com toda minha vontade em reciclar meu lixo sou impedida, porque de acordo com a própria Câmara Municipal de Campinas em um relatório final da Comissão Especial de Estudos (CEE) a cidade produz 900 toneladas de resíduos domésticos e industriais por dia, mas recicla apenas 2% disso.

Ou seja, 98% do lixo produzido na cidade vão parar nos aterros sanitários e grande parte dele com certeza contém plástico que agora com esse novo acordo, só mudou o tipo de embalagem agora descartadas. O   que tem a dizer os preocupados com o planeta?  Todo o lixo produzido irá parar nos mesmos aterros sanitários, só que agora dentro de sacos de sanitos vendidos pelos mesmos defensores do meio ambiente.

(*) Michele Araújo

20 de março de 2015

>Serra do Brigadeiro

Compartilhar este Grupo

Distante cerca de 290 km de Belo Horizonte, esta unidade de conservação tem 14.984 hectares de matas nativas e uma paisagem dominada por montanhas, vales, chapadas e encostas e diversos cursos d’água que integram as bacias dos rios Paraíba do Sul e Doce.
O Parque Estadual Serra do Brigadeiro ocupa terrenos dos municípios de Araponga, Fervedouro, Miradouro, Ervália, Sericita, Pedra Bonita, Muriaé e Divino, na Serra da Mantiqueira, e tem vários Picos: o do Soares (1.985 metros de altitude), o Campestre (1.908 m), o Grama (1.899 m) e o Boné (1.870 m foto abaixo visto de um angulo diferente). A altitude e o relevo amenizam a temperatura local e a neblina cobre os picos durante quase todo o ano, formando uma das mais belas imagens do Parque. A região do município de Araponga onde se encontra o Córrego do Estouro tem lindas paisagens de encher os olhos
A Mata Atlântica, principal formação vegetal da área, está intercalada com os Campos de Altitude e afloramentos rochosos, formando um belo cenário. Considerado um paraíso botânico, o Parque constitui um ecossistema rico em espécies vegetais como bromélia, orquídea, cedro, candeia e palmito doce.
A unidade de conservação também é refúgio de espécies da fauna ameaçadas de extinção, como o sauá, o mono-carvoeiro ou muriqui, a onça-pintada, a jaguatirica, o sapo-boi. Também podem ser observadas diversas espécies de aves, como o pavó, o papagaio-do-peito-roxo e a araponga.

Cancelar

31 de janeiro de 2015

>Vi muitas belezas naturais, mas, vi também...

Imagem: Arquivo pessoal
Durante alguns dias de férias descobri o quanto ainda precisamos conhecer um pouco mais da natureza e sua complexidade e, aprender a respeitar um pouco mais o meio ambiente.  A maior parte dos dias em que estive em contato direto com a natureza, pude ver de perto com o cantar dos pássaros em uma bela sinfonia ao amanhecer.

Senti o cheiro da floresta, o que há tempos não acontecia. A natureza é perfeita e quando observada com mais atenção continua a nos surpreender a cada momento. Vi as belezas naturais, mas, vi também o desrespeito com que o homem trata o meio onde vive.

Vi rios poluídos, com lixo em suas margens, onde não deveria estar, (garrafas pets, sofás, camas, e tudo mais que se possa imaginar jogados em seus leitos), mas vi também pequenos riachos correndo com suas águas cristalinas entre o que restou da Mata Atlântica, com raros momentos de pura beleza que só mesmo as mãos de Deus podia ter criado tudo isso. Contemplando os detalhes de pequenas coisas refleti sobre todas as maravilhas criadas por ele. Diante de tudo isso é preciso que o homem reconheça como somos ínfimos diante da grandeza de Deus.
(a) J Araújo

21 de novembro de 2014

>A falta d' água e o desrespeito ao meio ambiente



Várias cidades, principalmente, no Estado de São Paulo, estão adotando o racionamento de água potável para o consumo da população. Um dos motivos da falta de água, sabemos que é a falta de cuvas, que não caíram em volume suficiente para encher os reservatórios para suprir a necessidade de consumo da população. Outro motivo não menos importante tem a ver com a intervenção do homem no meio ambiente aonde vive, em Residencial Fazenda Roseiras.  Antes o fogo colocado por alguém irresponsável destruiu toda a área, hoje estamos vendo a recuperação da mesma. Aqui existiam peixes, nos poços do Córrego Roseiras formado pelas nascentes existentes. Porém a poluição pelo esgoto despejado sem tratamento pela SANASA (Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A), matou todos os peixes que existiam por aqui.


6 de julho de 2014

>É o tipo de gente que deve se dar bem em um chiqueiro...


Imagem: J Araújo
A população reclama, infelizmente, uma minoria sem um mínimo de consciência acaba prejudicando uma maioria consciente que se revolta quando depara com esse tipo de cenário que encontrei na Rua Peruibe, no bairro Parque Prado em Campians São Paulo. São pessoas que sentem o prazer em compartilhar seus  detritos com os outros. É uma parcela da população, felizmente, pequena, que não tem nenhum respeito com os seus semelhantes e menos ainda com a natureza.

É o tipo de gente que deve se dar bem em um chiqueiro, caso os porcos as aceite. Nos causa revolta ver esta cena dessas em uma cidade que apesar de todos  os seus problemas tem uma coleta de lixo até eficiente. A referida rua parece mais um lixão a céu aberto, claro, pelo visto não é apenas uma pessoa que faz toda essa sujeira; é uma vara pela quantidade de porcos. 

O poder público têm sua parcela de culpa por não manter uma fiscalização eficiente que possa punir quem comete esse tipo de crime ambiental. Já que estamos vivendo em um mundo cheio de tecnologia,  vamos usá-la para ajudar na fiscalização e punir com eficiência quem necessita ser punido. 
(a) J Aráújo

6 de junho de 2014

>Inimigos da natureza


Imagem: J Araújo
Aquelas pessoas que respeitam os outros e querem ser respeitadas, quando deparam com uma cena dessas, ficam imaginando quem foi o covarde que fez isso. Pois, na maioria das vezes, esses incêndios são provocados por covardes que não respeitam a natureza. Quem faz isso não merece ser chamado de gente. 

Imagem: J Araújo
Deve ser uma pessoa sem o mínimo de consciência e respeito com o meio ambiente. Nos revolta quando isso acontece.  Infelizmente tenho visto isso frequentemente acontecer em uma mesma área esse ano. Quem faz isso deve ser bem infeliz.

É uma área de preservação que as poucas árvores existentes tentam resistir, mas algumas pelo pequeno porte não resistem e acabam morrendo. 

Basta o mato secar e aparece alguém para riscar um fósforo e tudo virar cinza, somente este ano, essa é a segunda vez que o local é incendiado criminosamente. É revoltante. A pessoa que faz isso, já que gosta tanto de fogo, deveria arranjar um monte de gravetos fazer uma fogueira e sentar em cima. Esse tipo pode ser chamado de verdadeiros inimigos da natureza.

Ate parece que nunca tiveram a oportunidade de sentar à sobra de uma arvore. Estou me segurando para manter o texto dentro dos padrões aceitáveis de leitura. E, em respeito aos leitores vou manter a linha e engolir várias palavras. 

Se você também se indigna quando depara com isso compartilhe o texto para que mais pessoas possam também tomar conhecimento dessas barbaridades que são cometidas por pessoas tão ignorantes que não respeitam a natureza; vivem botando fogo em tudo que é mato seco que encontra em seus caminhos. Com atitudes grotescas como essa, merece nosso total desprezo.

(a) J Araújo

7 de dezembro de 2013

>A falta de higiene e a exploração das pessoas

Quem já não teve o desprazer de ver a sujeira que prolifera nas cidades, que atire a primeira pedra – de preferência em que joga lixo na rua ou em qualquer outro lugar que não seja o adequado – ela vem de todos os lados pelas mãos  de pessoas porcas, que me perdoe a espécie. Por onde quer que andemos vemos lixos jogados pelas ruas entupindo bueiros e muitas vezes ajudando a  provocar inundações onde poderia ser evitadas. Vemos de um simples papel de bala a sofás e colchões velhos descartados em terrenos baldios ou mesmo nos córregos ou rios que cortam as cidades.

Quantas vezes vimos cenas absurdas de pessoas descartando seus lixos – mesmo existindo coleta – sem dar a menor importância com a questão do meio ambiente em que vive. Isso ocorre não somente nas ruas, mas também nas estradas de todo o país. As concessionárias de rodovias retiram toneladas de detritos jogados pelas janelas dos carros pelos porcalhões de passagem pelos trechos percorridos.  Tudo isso é pago pelo consumidor que paga os pedágios existentes e nos preços já estão também embutidos as despesas com esse tipo de serviço. Fica meu repudio a essas pessoas que emporcalha os postes de energia e pontos de ônibus.

No caso dos postes e ponto de ônibus é mais pelo péssimo visual, não deixando de ser uma poluição visual. Tudo isso acontece nas ‘barbas’ do poder público que incompetente como é na fiscalização, acaba deixando a cidade nas mãos desses porcos. Volto a me desculpar com os porcos. A lei que regulamenta a propaganda nas ruas existe, mas não é cumprida. É aquela história, dizem que tem leis que não pegam, só existe no papel. E o povo brasileiro, a maioria infelizmente, não tem o hábito de cuidar do meio onde vive.

Nestes lugares podemos ver de tudo, de cartazes com  oferta de emprego à cartomante oferecendo seus serviços que promete resolver todos os problemas que você possa ter na vida. O que na verdade não passa de puro charlatanismo. São tão descaradas as mentiras, mesmo assim muitas pessoas incautas e desesperadas com problemas, principalmente, sentimentais acabam sendo as vítimas preferidas desses exploradores da boa fé alheia.

(       (a)    J Araújo

8 de novembro de 2013

>As plantas e suas propriedades medicinais sempre nos surpreende

Imagem J Araújo

Estive em Minas Gerais, no Município de Araponga, mais precisamente em uma região conhecida como Estouros, lá conheci essa arvore - das fotos - que está fazendo o maior sucesso naquela região. 

Quem conhece? Até o momento a única coisa certa é que os moradores estão encantados com ela, (não pela beleza de suas flores) pelas propriedades curativas que a mesma tem apresentado, já arrumaram até um nome para a mesma.

Imagem J Araújo
Estão chamando-a de "Mertiolates". Os moradores da roça estão usando o liquido que sai quando sua folha é retirada do caule, como cicatrizante "curando" ferimentos com uma rapidez impressionante segundo informações.


Estava ansioso em saber que planta é essa através de pesquisadores que pudesse responder com segurança se realmente a mesma tem alguma propriedade terapêutica conhecida da medicina ou se é apenas mais uma daquelas famosas descobertas da medicina popular.

Em contato com o Instituto de Botânica de São Paulo veja a resposta:

Prezado J Araújo

As fotos que você enviou são da jatropha multifida, uma espécie da Euphorbiaceae, a mesma da família da mandioca e da borracha. Essa espécie é nativa do México e America Central, no Brasil é cultivada como planta ornamental.

Desconheço qualquer utilização do látex dessa planta como cicatrizante, que inclusive pode ser irritante para a pele. 

Entretanto a utilização de látex de Euphorbiaceae para extirpar verrugas é mencionada na medicina popular, como no caso da Euphorbia tirucalli, uma espécie também muito cultivada no Brasil.

Atenciosamente

Inês Cordeiro



3 de novembro de 2013

>Exmº. Sr. Secretário de Meio Ambiente do governo do Estado de Minas Gerais


 Carta aberta

 Exmº. Sr. Secretário de Meio Ambiente do governo do 

  Estado de Minas Gerais

Nasci no município de Araponga – MG, mais especificamente na comunidade dos Estouros, vi o inicio da destruição e o renascimento das matas da região do Pico do Boné e também a região do Pico do Matipozinho, mais conhecido como Tromba D’anta.

Há mais de 40 anos deixei a região e moro no Estado de São Paulo, fiquei feliz quando o governo do Estado criou o (PESB), Parque Estadual Serra do Brigadeiro, através do Decreto nº 38.319 de 27 de setembro de 1996, porém o que se vê na sede original da fazendo é o abandono daquela construção, nesses 17 anos de existência do parque nada foi investido para preservação daquela que um dia viveu o apogeu. 

Hoje aquela sede se encontra caindo aos pedaços precisando de um projeto de reforma que ouço falar há mais de uma década, os anos vão passando e até agora nada foi feito. Para que não os responsáveis pelo local diga que não falo a verdade, percebi que a energia elétrica chegou recentemente no local. Só que a população não pode esquecer que no próximo temos eleições, pode ser uma jogada política.

Posso até não ser ouvido, mas pelo menos quero que saiba o quanto o povo daquele entorno e região almeja por melhoras naquele parque. É hora de colocar em pratica os discursos feitos principalmente em época de pedir votos daquele povo.

É uma região que precisa ser preservada, mas também explorada através do turismo rural, a população do entorno, com certeza só tem a ganhar com o desenvolvimento sustentável daquela região gerando renda para aquele povo. Todos os meus irmãos moram ainda lá. Tento através da divulgação do lugar atrair pessoas para conhecer, mas do jeito que está é desanimador e olha que não sou somente eu que pensa assim. Espero um dia poder ver aquela obra sair do papel, digo isso porque vi um esboço do projeto. Veja o vídeo.

Este post foi publicado no Facebook oficial do Governo do Estado de Minas Gerais

Atenciosamente,

J Araújo 



                                                                                     

9 de fevereiro de 2013

>Preocupação com as formigas

Talvez seja difícil determinar quem foi o autor da frase: Ou o Brasil acaba com a Saúva ou a Saúva acaba com o Brasil. Mas não é difícil dar-se conta de que na verdade é uma afirmação equivocada. As formigas existem há milhões de anos e são raras espécies vegetais que elas não saibam atacar. A Saúva tanto corta folhas em arvores gigantescas, deixando caírem os pedaços como chuvas e depois os recolhem do chão, como também corta arbustos, ervas e gramas.  Um dos grandes predadores da formiga é o tamanduá bandeira e o tatu e os dois estão na lista dos animais em extinção.

Percebi que existe uma grande preocupação das pessoas com o meio ambiente, que fazem de tudo para conscientizar, e o blog Mimirabolantes é um deles através da  sua administradora, a Monique. Apesar da destruição que podemos ver em vários lugares e ambientes diversos, as formigas, principalmente, a saúva já foi tema de uma campanha nacional nos anos 70; que dizia assim:

21 de julho de 2012

>Natureza

Orquideas
As orquídeas selvagens como sempre nos surpreende com sua beleza. Esta  foi encontrada no entorno do Parque Estadual Serra do Brigadeiro, Município de Araponga - MG. Para quem conhece  essa é uma cena comum na região mas para o visitante tudo é novidade.

As orquídeas e bromélias fazem parte da paisagem, hoje, preservada por leis e pela própria população, hoje  conscientizada em preservar a faúna e flora da região, que em outras épocas foi desvatada. Depois de um longo período, aprenderam a valorizar mais o meio ambiente onde vive e tira o sustento da família, ao mesmo tempo evita a degradação das riquezas naturais.
(a) J Araújo

13 de julho de 2012

>Código florestal


Arquivo pessoal

A comissão mista do Senado que analisa a Medida Provisória 571/12, que complementa o novo Código Florestal, (Lei 12.615/12) aprovou o texto principal do senador Luiz Henrique (PMDB-SC), com 16 votos a favor e 06 obstruções. O código florestal tem o objetivo de disciplinar a ocupação do solo em todo o território brasileiro.

Sabemos que os devastadores das florestas, na verdade, não é o produtor rural. Isso fica patente quando olhamos para a Floresta amazônica, onde os madeireiros, muitas vezes, acobertados por funcionários corruptos do próprio IBAMA,(Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis)são corrompidos para fazer vistas grossas para o grave problema do desmatamento.

Com relação a Amazônia, o senador modificou a parte do parecer que trata do limite para a soma da reserva legal e das APPs, (Áreas de Preservação Permanentes) a fim de não inviabilizar economicamente uma propriedade rural. Conforme o novo texto, o imóvel rural localizado em área de floresta da Amazônia Legal deverá ter até 80% de área conservada, somando reserva legal e APP,. Nas demais situações, esse limite será de 50%, o que valerá inclusive para localidades da Amazônia Legal onde o bioma não seja Amazônia.

(a) J Araújo

9 de junho de 2012

>Sem palavras

Minas, belezas e tradições (Imagens:arquivo pessoal)
Região de Viçosa
Região do Estouro


Continuação
Rio do ouro nos fundos da Fazenda Brigadeiro
Rio Araponga
Olha que maravilha!
Rio do ouro
Cachoeira do Natalino
Abacate de cacho
Doce de goiabada
Biscoito de polvilho nineiro
Fazenda Serra do Brigadeiro
Mata em frente da Fazenda

Todas as imagens (veja o vídeo) aqui postados pertencem ao arquivo pessoal do autor

13 de abril de 2012

>A carta do Zé


J Araújo
Arquivo pessoal
Luis,
Quanto tempo. Sou o Zé, seu colega de ginásio, que chegava sempre atrasado, pois a Kombi que pegava no ponto perto do sítio atrasava um pouco. Lembra, né, o do sapato sujo. A professora nunca entendeu que tinha de caminhar 4 km até o ponto da Kombi na ida e volta e o sapato sujava.

Lembra? Se não, sou o Zé com sono… hehe. A Kombi parava às onze da noite no ponto de volta, e com a caminhada ia dormi lá pela uma, e o pai precisava de ajuda para ordenhá as vaca às 5h30 toda manhã. Dava um sono. Agora lembra, né Luis?!

Pois é. Tô pensando em mudá ai com você.
Não que seja ruim o sítio, aqui é uma maravilha. Mato, passarinho, ar bom. Só que acho que tô estragando a vida de você Luis, e teus amigo ai na cidade. To vendo todo mundo fala que nóis da agricultura estamo destruindo o meio ambiente.

Veja só. O sitio do pai, que agora é meu (não te contei, ele morreu e tive que pará de estuda) fica só a meia hora ai da Capital, e depois dos 4 km a pé, só 10 minuto da sede do município. Mas continuo sem Luz porque os Poste não podem passar por uma tal de APPA que criaram aqui. A água vem do poço, uma maravilha, mas um homem veio e falo que tenho que faze uma outorga e paga uma taxa de uso, porque a água vai acabá. Se falo deve ser verdade.

Pra ajudá com as 12 vaca de leite (o pai foi, né …) contratei o Juca, filho do vizinho, carteira assinada, salário mínimo, morava no fundo de casa, comia com a gente, tudo de bão. Mas também veio outro homem aqui, e falo que se o Juca fosse ordenha as 5:30 tinha que recebe mais, e não podia trabalha sábado e domingo (mas as vaca não param de faze leite no fim de semana).

Também visito a casinha dele, e disse que o beliche tava 2 cm menor do que devia, e a lâmpada (tenho gerador, não te contei !) estava em cima do fogão era do tipo que se esquentasse podia explodi (não entendi ?). A comida que nóis fazia junto tinha que faze parte do salário dele. Bom, Luis tive que pedi pro Juca voltá pra casa, desempregado, mas protegido agora pelo tal homem. Só que acho que não deu certo, soube que foi preso na cidade roubando comida. Do tal homem que veio protege ele, não sei se tava junto.

Na Capital também é assim né, Luis? Tua empregada vai pra uma casa boa toda noite, de carro, tranquila. Você não deixa ela morá nas tal favela, ou beira de rio, porque senão te multam ou o homem vai aí mandar você dar casa boa, e um montão de outras coisa. É tudo igual aí né?

Mas agora, eu e a Maria (lembra dela, casei ) fazemo a ordenha as 5:30, levamo o leite de carroça até onde era o ponto da Kombi, e a cooperativa pega todo dia, se não chove. Se chove, perco o leite e dô pros porco.

Té que o Juca fez economia pra nóis, pois antes me sobrava só um salário por mês, e agora eu e Maria temos sobrado dois salário por mês. Melhoro. Os porco não, pois também veio outro homem e disse que a distancia do Rio não podia ser 20 metro e tinha que derruba tudo e fazer a 30 metro. Também colocá umas coisa pra protege o Rio. Achei que ele tava certo e disse que ia fazê, e sozinho ia demorá uns trinta dia, só que mesmo assim ele me multo, e pra pagá vendi os porco e a pocilga, e fiquei só com as vaca. O promotor disse que desta vez por este crime não vai me prendê, e fez eu dá cesta básica pro orfanato.

O Luis, ai quando vocês sujam o Rio também paga multa né?

Agora a água do poço posso pagá, mas to preocupado com a água do Rio. Todo ele aqui deve ser como na tua cidade Luis, protegido, tem mato dos dois lado, as vaca não chegam nele, não tem erosão, a pocilga acabo …. Só que algo tá errado, pois ele fede e a água é preta e já subi o Rio até a divisa da Capital, e ele vem todo sujo e fedendo ai da tua terra.

Mas vocês não fazem isto né Luis. Pois aqui a multa é grande, e dá prisão.
Cortá árvore então, vige. Tinha uma árvore grande que murcho e ia morre, então pedi pra eu tira, aproveitá a madeira pois até podia cair em cima da casa. Como ninguém respondeu ai do escritório que fui, pedi na Capital (não tem aqui não), depois de uns 8 mes, quando a árvore morreu e tava apodrecendo, resolvi tirar, e veja Luis, no outro dia já tinha um fiscal aqui e levei uma multa. Acho que desta vez me prende.

Tô preocupado Luis, pois no radio deu que a nova Lei vai dá multa de 500,00 a 20.000,00 por hectare  e por dia da propriedade que tenha algo errado por aqui. Calculei por 500,00 e vi que perco o sitio em uma semana. Então é melhor vende, e ir morá onde todo mundo cuida da ecologia, pois não tem multa ai. Tem luz, carro, comida, rio limpo. Olha, não quero fazê nada errado, só falei das coisa por ter certeza que a Lei é pra todos nois.

E vou morar com vc, Luis. Mais fique tranqüilo, vou usá o dinheiro primeiro pra compra aquela coisa branca, a geladeira, que aqui no sitio eu encho com tudo que produzo na roça, no pomar, com as vaquinha, e ai na cidade, diz que é fácil, é só abri e a comida tá lá, prontinha, fresquinha, sem precisá de nóis, os criminoso aqui da roça.

Até Luis.

Ah, desculpe Luis, não pude mandar a carta com papel reciclado pois não existe por aqui, mas não conte até eu vendê o sitio.

(Todos os fatos e situações de multas e exigências são baseados em dados verdadeiros. A sátira não visa atenuar responsabilidades, mas alertar o quanto o tratamento ambiental é desiqual e discricionário entre o meio rural e o meio urbano.)

Luciano Pizzatto (*) É engenheiro florestal, especialista em direito socioambiental. 

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...